Soltando o verbo COLORIR, com a escritora Lucimar Zanzoni

Contemporânea, artista sem pretensão, moderna, desafiadora, criativa, meiga e genial. Lucimar Zanzoni é convidada do BarbacenaMais e está publicando suas séries de crônicas aos domingos aqui. Um pouco de leveza e literatura para dias pesados e instigantes. Hoje é dia de falar sobre COLORIR  ;-)

Soltando o verbo ELEGER, com a escritora Lucimar Zanzoni

Contemporânea, artista sem pretensão, moderna, desafiadora, criativa, meiga e genial. Lucimar Zanzoni é convidada do BarbacenaMais e está publicando suas séries de crônicas aos domingos aqui. Um pouco de leveza e literatura para dias pesados e instigantes. Hoje é dia de falar sobre ELEGER  ;-)

Soltando o verbo ESQUECER, com a escritora Lucimar Zanzoni

Contemporânea, artista sem pretensão, moderna, desafiadora, criativa, meiga e genial. Lucimar Zanzoni é convidada do BarbacenaMais e está publicando suas séries de crônicas aos domingos aqui. Um pouco de leveza e literatura para dias pesados e instigantes. Hoje é dia de falar sobre ESQUECER  ;-)

Em busca da Salvação

A beleza de sua alma não estava na ternura com a qual tratava as pessoas; não se assentava em sua religiosidade, nem na falta de ambição. Estava no equilíbrio entre a realidade e suas expectativas. Vinha da consciência de sua fragilidade física e emocional, da consciência de que o fracasso de algumas experiências marcou o caminho apenas para que não relaxasse administrando o sucesso, e de que suas excentricidades sempre significariam, para alguns, uma margem socialmente plausível de loucura.Antes de olhar a multidão de frente, ele precisava justificar-se em sua posição, deixar a sabedoria adquirida encontrar a simplicidade do indivíduo. E assim as memórias do Padre Célio o envolviam no altar.