fbpx

Ajudantes do Papai Noel: grupo de mulheres tem Fábrica de Brinquedos em Barbacena

Oficina voluntária conserta brinquedos quebrados e doa para mais de três mil crianças carentes de creches e associações no Natal. Brinquedos podem ser doados ao longo do ano, veja os pontos de coleta e quem foram os beneficiados em 2018. Saiba Mais...

Oficina de brinquedos. Foto: Ana Luiza Fonseca/BarbacenaMais

“Nada se perde, tudo se transforma”. A frase de Antoine Lavoisier, é o lema das mulheres que comandam a oficina de brinquedos, no bairro São José, em Barbacena. Um grupo de seis mulheres que se reúne semanalmente para consertar brinquedos e doar no mês de dezembro, próximo ao Natal.

Desde bonecas sem corpo ou cabeça até carrinhos sem roda, pelúcias rasgadas, joguinhos guardados, livros infantis, material escolar, eletrônicos que não funcionam, todo tipo de brinquedo que não tem mais utilidade para o dono se transforma em um kit novinho em folha pelas mãos de Jane Moreira, Tati Moreira, Maria Inês de Araújo Lima, Cristina Amaral, Eliane Oliveira e Dulcineia Santarosa.

“Não fazemos exigência de nenhum tipo de brinquedos e as peças são todas catalogadas por tamanho e por tipo, as vezes vem um carrinho que nós só conseguimos aproveitar as rodas e às vezes vem um que só falta a roda. Temos gavetas dedicadas a bonecas que são só de braços, pernas, cabeças, corpos” contam as oficineiras.

Cerca de três a quatro mil crianças, de Barbacena e região, são ajudadas por ano, através de creches, pastorais ou associações. Em 2018, as doações foram para a creche Fé e Alegria, Associação Barbacenense de Ação contra a Aids (ABAA), Associação de Amparo a Pessoas Carentes e com Câncer (ANAPECC), Lar das Velhinhas, Oratório do Salesianos, Pastoral do Menor, comunidades de Desterro do Melo, Ibertioga, Serra de Ibitipoca e Curral Novo. “No começo do ano dá um certo desespero quando nós vemos poucos brinquedos, mas quando vai chegando o final do ano, quase falta espaço aqui na oficina”, conta Jane Moreira, que é a mais antiga do grupo.

Oficina de brinquedos. Foto: Ana Luiza Fonseca/BarbacenaMais

O Grupo

Em funcionamento há mais de 25 anos, o grupo foi se renovando ao longo do tempo. Atualmente, toda terça-feira, a partir às 19h, é possível encontrá-las na rua Moreira César, número 115, no Bairro São José. Após um café descontraído, elas se dedicam a arrumar os brinquedos que são arrecadados ao longo de todo o ano.

Além da sede, as doações podem ser entregues na Papelaria Bernadete ou na Lanchonete Doce Gula. Dependendo da quantidade, é só entrar em contato com o grupo para que elas busquem em local combinado.

“Não temos patrocínio nenhum, o nosso trabalho é totalmente voluntário, inclusive a casa é da minha mãe. As contas e os produtos extras que temos que comprar, nós dividimos para as seis”, conta Tati Moreira.

Durante o ano, também são arrecadados objetos para serem pechinchados. O dinheiro é revertido na compra de cola, sacolas, linhas, fitinhas e todo o material que é necessário no conserto dos brinquedos. As doações vêm de todos os cantos da cidade.

“Têm jogos e brinquedos grandes e diferentes que nós mandamos para criar ou incrementar as brinquedotecas nas escolas e creches. Os brinquedos individuais, nós tentamos mandar padronizados, para não fazer diferença entre as crianças. Temos sempre a preocupação de não deixar alguma criança sem brinquedo, então a gente confere e embala tudo direitinho”, contaram.

Oficina de brinquedos. Foto: Ana Luiza Fonseca/BarbacenaMais

Depoimentos

“Nós somos um grupo muito unido, antes de tudo nós somos amigas, todas com o mesmo intuito. Para nós vira uma terapia e é gratificante no final quando nós entregamos os brinquedos, ver que nós estamos fazendo a alegria de uma criança carente” – Tati Moreira

“É mesmo uma terapia. A gente relaxa, bate um papo e estamos trabalhando em algo que nós veremos um excelente resultado no final” – Maria Inês de Araújo Lima

“Para mim foi um acolhimento, já que sou o membro mais recente do grupo. É muito bom! Em vez de ficar em casa, eu dedico meu tempo a fazer algo bom para mim e para outras pessoas” – Dulcineia Santarosa

“Quem ganha o presente acaba que não são as crianças, o presente maior é meu de poder ajudar e ver a felicidade delas quando recebem” – Cristina Amaral

Oficina de brinquedos. Foto: Ana Luiza Fonseca/BarbacenaMais
Oficina de brinquedos. Foto: Ana Luiza Fonseca/BarbacenaMais
Oficina de brinquedos. Foto: Ana Luiza Fonseca/BarbacenaMais

Imprimir  

Tudo o que aconteceu hoje, diretamente no seu e-mail

Receba nossas noticias em seu e-mail:

 







 

entre em contato pelo whatsapp