fbpx

Missões aéreas aumentam e salvam vida de quem precisa de transplante em Minas Gerais

Número de atendimentos, em transportes feitos por aeronaves do Governo do Estado em 2016, já é equivalente ao de todo o ano passado. Leia mais...

EM DESTAQUE

 

Missões aéreas aumentam e salvam vida de quem precisa de transplante em Minas Gerais

O transporte aéreo de órgãos e tecidos continua sendo um grande diferencial no atendimento a pacientes que precisam fazer transplante em Minas Gerais. Só de janeiro a agosto deste ano, aeronaves da Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e do Hangar do Governador realizaram 30 missões de atendimento às equipes do MG Transplantes, enquanto em todo o ano de 2015 foram executadas 31 missões.

O roteiro dos deslocamentos, feitos de avião e helicóptero, incluiu várias regiões, entre elas o Sul e o Triângulo Mineiro, além de cidades da Bahia e do Espírito Santo. “As aeronaves estão disponíveis para ir aonde houver a oferta de órgãos. No primeiro semestre houve mais captação no interior do estado e a logística aérea foi importante para transportar órgãos como fígado, coração, rins e pâncreas”, afirma Sara Barroso, coordenadora estadual de Logística do MG Transplantes.

Minas Gerais é pioneiro e referência, no país no transporte aéreo de órgãos e tecidos humanos. Essa logística tem viabilizado a condução rápida e adequada das doações. “Nossa missão é transportar as equipes médicas desde o local onde foram retirados os órgãos e tecidos até a unidade de saúde onde se encontra o receptor”, explica o diretor de Transportes Aéreos do Gabinete Militar, major Henrique Chaves Aleixo. 

Doação veio de longe

O aposentado Veimar Eustáquio, 67 anos, morador de Belo Horizonte, foi salvo por uma doação que veio de Salvador, na Bahia. Ele estava internado no Hospital das Clínicas da capital e precisava urgentemente de um fígado novo. O êxito da logística aérea fez com que o órgão chegasse a tempo de dar ao aposentado a chance de sobreviver.

Veimar, portador de cirrose hepática e câncer no fígado, esperou seis meses pelo transplante de fígado. Por conta do câncer, ele era o primeiro da fila. No dia 25 de maio deste ano surgiu uma doação e ele fez o procedimento. Só que houve rejeição.

Imediatamente, o aposentado entrou como prioridade na fila nacional. Cinco dias depois, apareceu o novo fígado na Bahia, trazido pela equipe do transporte aéreo mineiro. O segundo transplante foi feito no mesmo dia em que o órgão chegou.

“Se não fosse essa doação eu estaria morto”, diz Veimar Eustáquio. O aposentado, que responde bem ao tratamento, afirma estar confiante. “Eu nasci de novo. Mudei até a data do meu aniversário de 7 para 30 de maio”.

Dados do semestre

Balanço do MG transplantes mostra que de janeiro a julho deste ano 1.079 pessoas foram submetidas a transplante, número ligeiramente menor que o mesmo período de 2015, quando 1. 211 pacientes tiveram oportunidade de fazer o procedimento.

Os transplantes de córnea, sempre na liderança da lista de procedimentos, beneficiaram 626 pessoas. Já a quantidade de pacientes que recebeu um rim novo foi de 290. Em seguida estão os transplantes de medula óssea (57), escleras, tecido ocular (39), fígado (47), coração (16) e rim/pâncreas (4).

Espera

Até julho deste ano, 3.062 pessoas estavam na fila de espera pelo transplante, em Minas Gerais. “A gente nunca sabe a hora que vai sair o órgão, então essa incerteza é angustiante”, relata Elaine Maria Rocha, 65 anos, que passou pela experiência de esperar pelo transplante.

Elaine deixou a fila há sete meses. A dona de casa, que é do Norte de Minas Gerais, sofria de cirrose hepática. Ela transplantou o fígado em fevereiro deste ano na Santa Casa de Misericórdia de Montes Claros, cidade onde mora.

“Quando a doação surgiu eu estava preparada para fazer o transplante, meus exames estavam todos prontos. Hoje, estou bem, tenho feito acompanhamento médico e meus exames estão apresentando resultados normais. Isso é um milagre!”, comemora Elaine.

A dona de casa afirma estar agradecida “a Deus” por não ter ficado muito tempo na fila de espera, mas imagina a ansiedade das pessoas que ainda aguardam pelo procedimento e dependem de doadores. “É importante que as famílias se sensibilizem e estejam abertas a fazer a doação de órgãos de um ente querido. Assim vão  ajudar alguém a sobreviver”, conclui.

Conscientização

O diretor do MG Transplantes, médico Omar Lopes Cançado, diz que a redução da quantidade de transplantes no primeiro semestre deste ano continua relacionada à diminuição da taxa de doadores. “Ainda é frequente a recusa das famílias por desconhecimento do que é morte encefálica, medo de mutilação do corpo e impedimento por questões religiosas”, ressalta.

Para atender à demanda por transplante, Cançado trabalha com a perspectiva de aumentar de 12 para 13 a taxa de doadores para cada um milhão de pessoas, em 2016. Para isso, o MG Transplantes pretende intensificar as campanhas de conscientização e de esclarecimento da população.

Cançado também anunciou que o sistema estadual de transplante está sendo reestruturado para melhorar a captação de órgãos. Entre as ações estão o mapeamento dos hospitais com maior potencial de doação, o treinamento dos profissionais para a abordagem das famílias e a notificação de possíveis doadores.

Omar Cançado ainda informa que serão instaladas, no estado, novas unidades regionais de transplante. Um dos hospitais credenciados é o Universitário de Itajubá, no Sul, que em breve vai realizar transplante de coração, fígado e rins.

Como se tornar um doador

Para ser um doador basta que a pessoa comunique sua vontade aos familiares, para que eles possam atender ao seu desejo e procedam a doação dos órgãos. Não é mais necessário deixar por escrito ou registrado em documento de identificação.

O MG Transplantes, responsável pela coordenação da política de transplante de órgãos e tecidos no estado, é vinculado à Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig). O estado conta com seis centrais do MG Transplantes: Uberlândia, Juiz de Fora, Montes Claros, Governador Valadares, Pouso Alegre e Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Critérios para o transplante

Além da compatibilidade sanguínea do doador e do paciente, cada órgão exige critérios específicos para definição de quem será transplantado primeiro. Para o coração, por exemplo, são priorizados o tempo de inscrição e a proporção do tamanho entre doador e receptor.

 

Dúvidas e mais informações no telefone do MG Transplantes: 08002837183.


 

Foto: Omar Freire/Imprensa MG

http://agenciaminas.mg.gov.br/noticia/missoes-aereas-aumentam-e-salvam-vida-de-quem-precisa-de-transplante-em-minas-gerais

 

 

Este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link http://www.barbacenamais.com.br ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do BarbacenaMais estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do portal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do BarbacenaMais (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.). Essas regras têm como objetivo proteger o investimento que o BarbacenaMais faz na qualidade de seu trabalho.


Imprimir  

Tudo o que aconteceu hoje, diretamente no seu e-mail

Receba nossas noticias em seu e-mail:

 







 

entre em contato pelo whatsapp