fbpx

Capril Rancho das Vertentes é premiado na Minas Láctea 2017

Profissionais em destaque

Único laticínio de leite de cabra premiado no Minas Láctea, o laticínio Capril Rancho das Vertentes, com sede em Barbacena, conquistou o terceiro lugar na categoria destaque especial. Saiba mais...

(Da esq. para a dir.) Eloisio Francisco (casaco vermelho) com Rosângela Canton Francisco, e recebendo o troféu 
Edson da Costa Cardoso com Sandra Canton Cardoso

Único laticínio de leite de cabra premiado no Minas Láctea, o laticínio Capril Rancho das Vertentes, com sede em Barbacena, conquistou o terceiro lugar na categoria destaque especial.

O produto apresentado, o bombom com recheio de boursin de cabra, foi desenvolvido em parceria com a Mirian Rocha Chocolates, do Rio de Janeiro. Na edição anterior, o Rancho conquistou o primeiro lugar da categoria com o cheesecake de leite de cabra e geleia de morango.

De acordo com o sócio do Capril Rancho da Vertentes, Edson da Costa Cardoso, o bombom está em fase de apresentação para o mercado e as expectativas são positivas. Os produtos do laticínio são comercializados, principalmente, em São Paulo, Rio de Janeiro, Tiradentes e Campinas.

“Estamos distribuindo o produto para importantes pontos de venda no Rio de Janeiro. Acreditamos que, por ser um bombom gelado, inovador e próprio para harmonizar com vinhos, a aceitação será boa”, disse Cardoso.

Por dia, são processados cerca de 100 litros de leite de cabra no Rancho das Vertentes. O rebanho é composto por cerca de 120 cabras. A linha de produtos inclui o queijo de leite cru de cabra Terruá das Vertentes, Terruá Faixa de Carvão e o Terruá Imperial, queijo que pesa cerca de 5 quilos e tem maturação de 2 meses a 3 meses. Também são produzidos cheesecake, queijo boursin e frescal de cabra.

Cardoso destaca que a demanda pelos produtos de leite de cabra é crescente, mas a atividade precisa de mais apoio para se desenvolver em Minas Gerais.

“O apoio que se tem na produção do leite de vaca, a gente não tem na parte do queijo de cabra. Não temos apoio das federações, dos sindicatos e nem dos governantes municipais e estaduais de Minas, mesmo sendo um dos únicos do País a produzir queijos de leite cru de cabra. O reconhecimento do nosso trabalho é grande em outros estados, como o Rio de Janeiro e São Paulo, por exemplo, onde conseguimos participar de importantes eventos e, em Minas Gerais, não somos reconhecidos e não somos convidados a participar de eventos voltados para o queijo”, disse Cardoso.

Bombons com recheio de boursin de cabra, da Capril Rancho das Vertentes (MG), 3º lugar na Minas Láctea 2017.

Sobre a Minas Láctea 2017

Cerca de 110 empresas expositoras, 70 laticínios de todo o Brasil, 20 palestras com especialistas reconhecidos internacionalmente e oito minicursos. Mais que números, o Minas Láctea 2017, considerado o maior evento laticinista da América Latina que terminou hoje, 20, em Juiz de Fora (MG), conseguiu reunir os elos da cadeia de lácteos para debater avanços de qualidade para o setor. “Realizamos reuniões estratégicas entre governo, academia e indústria - os três principais agentes que formam a base para o desenvolvimento. Cumprimos nossa missão de criar ambiente propício à inovação e ao crescimento da indústria no Brasil”, ressaltou o chefe geral da EPAMIG -Instituto de Laticínios Cândido Tostes, Cláudio Furtado Soares. 

Em três dias de atividades no Cândido Tostes e no Expominas Juiz de Fora, cerca de 11 mil pessoas visitaram os estandes de empresas na Expomaq, participaram das degustações comentadas na Expolac e conheceram as novidades no setor em máquinas, equipamentos, ingredientes e insumos para a indústria. “Levantamento com os expositores indicam a expectativa de R$ 200 milhões entre negócios realizados e prospectados durante o Minas Láctea”, aponta o coordenador da Expomaq, Antônio Nunes.

Os números confirmam que, apesar do momento econômico, o setor laticinista está investindo. A empresa Lambari Inox vendeu três grandes equipamentos em dois dias de Expomaq: um tanque para queijo de 5 mil litros, uma batedeira de 200 litros e uma máquina para requeijão de 150 litros. “É o melhor evento que participamos em função do público especializado que visita os estandes”, considera o proprietário Stefano Messias.

Concurso Nacional de Produtos Lácteos

Um dos pontos altos do Minas Láctea, o Concurso Nacional de Laticínios reuniu cerca de 70 indústrias que disputaram o prêmio de melhor produto do Brasil em onze categorias: doce de leite, requeijão, manteiga, destaque especial e queijos gorgonzola, minas padrão, prato, reino, gouda, parmesão, provolone. A credibilidade do concurso e a seriedade do julgamento fazem a diferença, na opinião dos concorrentes.

”Vencer aqui é uma satisfação para quem trabalha buscando qualidade. Estampamos o selo de campeões do concurso em nossos rótulos, o que agrega valor aos produtos e chama a atenção do consumidor”, diz o supervisor de produção da Coopervap, Jaci Macedo, que participa há 27 anos e já levou 36 prêmios para casa, em Paracatu (MG).

Na categoria Destaque Especial, uma das vedetes do concurso que avalia produtos inovadores que ainda não chegaram ao mercado, os vendedores foram: Queijo Pataca, da Usina de Beneficiamento Paiolzinho (MG) em 1º lugar; Queijo Calambau maturado na cachaça, do Laticínios Paladar de Minas (MG) em 2º; e Bombom com recheio de boursin de cabra, da Capril Rancho das Vertentes (MG), em 3º. 

RESULTADO DO 43º CONCURSO NACIONAL DE PRODUTOS LÁCTEOS – 2017 

REQUEIJÃO CREMOSO

1º Laticínios Resende Ltda. Damare

2º Laticínios Vimilk Vimilk

3º Usina de Beneficiamento Cooperativa Mista de Valença de Responsabilidade 

MANTEIGA DE PRIMEIRA QUALIDADE

1º Fundação Arthur Bernardes Viçosa

2º José Geraldo Peixoto Rio do Peixe

3º Cooperativa Agropecuária do Vale do Paracatu Paracatu 

QUEIJO REINO

1º Laticínios União-Bonq União

2º Laticínios Tirolez Tirolez

3º Laticínios Millano Millano 

QUEIJO GOUDA

1º Usina de Beneficiamento Paiolzinho Paiolzinho

2º Laticínios Cruziliense Cruziliense

3º Laticínios União-Bonq União 

DOCE DE LEITE

1º Usina de Beneficiamento Laticínios Gardingo Ltda. Gardingo

2º Laticínios Vimilk Vimilk

3º Fundação Arthur Bernardes Viçosa 

QUEIJO MINAS PADRÃ0

1º Laticínios União-Bonq União

2º Laticínios Dois Irmãos Lucca

3º Cooperativa Agropecuária do Vale do Paracatu Paracatu 

QUEIJO PROVOLONE

1º Laticínios Cruziliense Cruziliense

2º Laticínios Tirolez Tirolez

3º Frimesa Cooperativa Central Frimesa 

DESTAQUE ESPECIAL

1º Usina de Beneficiamento Paiolzinho Paiolzinho - Queijo Pataca

2º Laticínios Paladar de Minas Paladar deMinas – Queijo Calambau

3º Capril Rancho das Vertentes Rancho das Vertentes - Bombom com recheio de Boursin de cabra 

QUEIJO PRATO

1º Cooperativa Agropecuária do Vale do Paracatu Paracatu

2º Laticínios Dois Irmãos Lucca

3º Cooperativa Mista dos Produtores Rurais de Conselheiro Pena Diminas 

QUEIJO GORGONZOLA

1º Laticínios Cruziliense Cruziliense

2º Laticínios Tirolez Tirolez

3º Frimesa Cooperativa Central Frimesa 

QUEIJO PARMESÃO

1º Laticínios Tirolez Tirolez

2º Laticínios JL Ltda. Valeza

3º Frimesa Cooperativa Central Frimesa


Com Diário do Comércio

Imprimir

Tudo o que aconteceu hoje, diretamente no seu e-mail

Receba nossas noticias em seu e-mail:

 


MAIS LIDAS:




Nos siga noGoogle News