21
21/01/2017

CONTO DO LIDO: 'O Reveillon"






Feliz 2017 com o Conto do Lido. O Reveillon...

O REVEILLON

Por Lido Loschi



O réveillon chegou com ares de palavra nova. Até então eu só conhecia o dia de ano. O primeiro dia do ano. Era muito especial acordar bem cedinho, bater na casa dos vizinhos, pedir dinheiro e devolver saúde e sorte. Minha tia abria a porta ainda cheia de sono sobre o fumegante coador de café: Feliz ano novo. Vá lá no quarto do Vô. Feliz ano novo! Eu repetia. Meu avô abria seu misterioso caixotinho, tirava uma nota estalando e eu saía rindo feito um bobo. Era muito cedo ainda, quase escuro, mas o dinheiro me dava coragem para passar pelas sinistras bananeiras e ir até às casas dos tios. Subia pela estradinha com medo daquele escuro se escondendo entre as moitas do capim. Aos poucos o dia amanhecia lento, revelando seus mistérios, mas nessa hora, o silêncio aquietava-se para escutar os passarinhos e tudo ficava mais leve. Eu batia na porta e gritava com voz tímida: Feliz ano novo! E mais um dinheiro vinha para a minha cobiçosa mãozinha. Voltava pra casa com o dia claro, pensando em comprar o mundo e toda a felicidade que pode guardar o frescor das manhãs. Meu pensamento voava. Dia de ano era assim, próspero e gostoso. Dinheiro, saúde e sorte. O resto eram frangos recheados, pernil, rabanada, guaraná e vinho.
Mas o réveillon, propriamente dito, veio depois, como uma moda, e instalou-se definitivamente.Todos nós arrumávamos para passar a noite comendo,bebendo e dançando. A roupa tinha de ter uma peça branca e nova para trazer os bons fluidos. Um sentimento diferente nos abraçava e tudo seria mais belo depois da meia noite. Todos no carro, perfumados de esperança, pois a vida nova recomeçaria a partir dali. A gente dentro do opala vermelho indo para o restaurante, felizes com aquele cheirinho de virada de ano. O gostinho refrescante de pasta de dentes completava a sensação de que tudo no mundo poderia ser bom.
No caminho, o farol do carro iluminou alguma coisa atravessando a estrada. - O que é aquilo? - Um gambá? - Uma coruja? Sai! - Não, um tatu! Sai, sai, pisa no freio!
Mas o tatu não percebeu os faróis nem nossos gritos e embrenhou-se no meio das rodas. Um barulho terrível de quebrar de ossos, de quebrar de cascos, quebrou também os encantos daquela noite. A primeira de réveillon. O carro parou e vimos os filhotinhos em volta da mãe morta. Iam para uma festa, eu pensei. Ficamos tristes! Sem ter o que fazer fomos para a festa deixando a lua cheia velando aquela família desamparada. Colei meu rosto no vidro de trás e vi o farolete vermelho colorindo o último ano daquele tatu. O carro arrancou e a poeira no escuro, os solavancos na estrada, a lua calada no céu profundo desenharam as curvas no meu coração. Adeus ano velho, feliz ano novo.
Quando deu meia noite, todos brindaram a vida. Feliz ano novo! Gritaram os desavisados. O samba enredo, sucesso daquele ano, levantou a todos. Todos emergiram de suas cadeiras feito ramagens que crescem e florescem buscando preencher os vazios. Todos foram felizes naquela noite, que morreram o tatu, o primeiro dia do ano, e as indescritíveis manhãs, onde eu, medroso e cheio de poderes, vendia saúde e sorte.


Lido Loschi é ator, cantor, produtor, escritor e talentoso em todas as artes que se propõe.



O Portal de Noticias BarbacenaMais não se responsabiliza pela opinião dos leitores expressas aqui através de seus perfis no Facebook.

Publicidade